A utilização dos símbolos de forma prática: Um guia introdutório

00:54

Um post que servirá como porta de entrada par o uso cotidiano de símbolos e objetos com significados.

No final do post algumas dicas rápidas e práticas,  e depois de o ler, suas lembranças e sua decoração nunca mais serão as mesmas.


De acordo com Jung, existe um inconsciente coletivo responsável pelo desenvolvimento do indivíduo, uma espécie de guia, com símbolos ou representações que repetem-se nas mais diversas culturas.

O principal argumento para essa teoria é que essas culturas nunca se encontraram ou trocaram informações, portanto, esses símbolos estariam além das fronteiras físicas.

Esse papo todo parece ser muito furado, mas Jung descreveu diversos relatos no mínimo curiosos e que serviram de base para todo essa teoria.

Peguemos por exemplo o seguinte relato presente em seu livro "O Herói de Mil Faces":


"Eu caminhava sozinha pela parte mais antiga de uma grande cidade [...] com pequenas casas miseráveis", escreve uma mulher dos nossos dias, descrevendo um dos seus sonhos. "Não sabia onde me encontrava, mas gostei de explorar o ambiente. Escolhi uma rua extremamente poeirenta que levava ao que deveria ter sido um esgoto a céu aberto. Passei por entre fileiras de barracos e descobri um pequeno rio [...] bonito e perfeitamente límpido [...] não havia como cruzar o rio, e eu fui a uma pequena casa pedir um bote. Um homem que lá se encontrava disse que realmente poderia me ajudar a cruzá-lo. Ele pegou uma pequena caixa de madeira, que colocou à margem do rio, e eu percebi imediatamente que, com essa caixa, podia passar facilmente para o outro lado. Eu sabia que todo o perigo acabara e queria recompensá-lo generosamente.
"Ao refletir a respeito desse sonho, tive uma inconfundível sensação de que não precisava ir aonde fora, podendo ter preferido dar um agradável passeio por ruas pavimentadas. Eu havia ido ao miserável e enlameado local porque preferia a aventura e, tendo começado, deveria prosseguir [...] Pensando no sonho nesses termos, ele me parece equivaler a uma determinação de nascer — ou melhor, de nascer de novo — num certo sentido espiritual. Talvez alguns de nós sejam forçados a passar por escuros e traiçoeiros caminhos antes de encontrar o rio da paz ou a elevada estrada a que o espírito se dirige." A sonhadora é uma celebrada cantora de ópera e, tal com todos os que preferiram seguir, não as estradas gerais traçadas de forma segura, à luz do dia, mas a aventura do chamado especial e quase inaudível que vem aos ouvidos que se encontram abertos tanto para o exterior como para o interior, teve de descobrir seu próprio caminho, passando por dificuldades que não costumam ser encontradas, "através de ruas poeirentas e malcuidadas"; ela conheceu a noite sombria do espírito, "a selva escura, ao meio da jornada da vida", de Dante, e as amarguras das profundezas do inferno: 
"Por mim se entra no reino das dores, Por mim se chega ao padecer eterno, Por mim se vai à Condenada Gente".


Esses símbolos que aparecem em sonhos, portanto presentes no "interior" do indivíduo, ao serem interpretados pela Semiótica ou pela própria Psicanálise, como o fez Jung, revelam diversos aspectos que espelham os níveis de maturidade de seu relator, podendo servir como catalizador da mudança na maneira de agir e pensar.

Dessa forma, podemos perceber novas maneiras de se usar símbolos externos para o desenvolvimento pessoal ou como ferramentas para a realização de tarefas no cotidiano.

A arte sempre esteve envolvida diretamente com representações ocultas que intendem transmitir muito mais informações do que se pode perceber a primeira vista. 

Como exemplo, segue a analise do quadro acima nesse link.


Tais mensagens, porém, seriam inúteis se não fosse por sua extrema força Idiossincrática, e aplicação prática capaz de realizar efeitos significativos no emocional humano.

Como exemplo temos a decoração e arquitetura de casas seguindo o princípio do Feng-Shui.


Dicas Práticas


Em posse dessas informações, como podemos utilizar os símbolos de forma prática e de forma simples? Algumas sugestões:

- Decore seu ambiente de trabalho com imagens que tenham ligação com o seu ofício, e busque inspiração em momentos de bloqueio mental observando essas imagens;

- Quando viajar, traga uma lembrança que tenha algum significado, de preferência um "achado" e não comprado, e ao guardá-lo lembre-se de todas as experiências boas que teve no lugar. 

Depois, toda vez que pegar nessa lembrança, recorde as sensações exatamente como quando o guardou, e provavelmente se sentirá renovado(a);

- Decore os ambientes ao seu redor com significados e propósitos definidos, com objetos com uma história que os identifique a você;

- Procure o significado do seu nome, ou de aproximações, e sempre lembre-se do seu significado;




0 comentários

Artigos Populares