Happy thank you more please: Qualidades e defeitos comuns a todas as pessoas

09:19

Alerta de Spoiler: Assista ao filme antes! (Não é comédia romântica).

Fantástico. Um filme parecido com Frances Ha, conta pequenas estórias de pessoas comuns (por isso é fascinante). 

O filme é centrado no personagem Sam e suas amizades. 


Sam, é um escritor que tenta ter seu romance publicado e que vive em uma vida inconstaste, de estórias curtas. Encontra esse garoto Rasheen, e passa a cuidar dele após o mesmo ter se desencontrado de sua atual família adotiva, na qual era infeliz.

Sam conhece também essa garota, Mississipi, e consegue convencê-la a ficar com ele por três dias em sua casa, reforçando a sua personalidade voltada a estórias curtas. Não ocorre como planejado, pois acaba gostando dela.

Sam acaba preso por uma noite por ter mantido o garoto sem ter avisado as autoridades.

Se autossabota diversas vezes ao longo do filme, principalmente quando está prestes a conseguir o que quer ou assumir uma responsabilidade. 

Medo do futuro, medo do sucesso.



Anne, acometida de uma condição que não permite que cresça pelos em seu corpo, só encontra decepção por se envolver com caras de personalidade infantil. 

Conhece esse outro cara, Sam 2, um "nice guy"  que faz de tudo para conquistá-la. Infelizmente, ele assume características opostas das que Anne sente-se atraída.

Sam 2 finalmente consegue conquistá-la através de manipulação, e usando um truque de visualizações mentais "convence" Anne a ficar com ele, que passa a achá-lo atraente.

Medo de crescer, de criar relacionamentos maduros.


O casal do filme Charlie e Mary vivem juntos e em harmonia, mas Charlie recebeu uma proposta de emprego, e teriam que se mudar para outra cidade. Mary estava relutante, e Charlie passa a sabotar o relacionamento dos dois, consciente ou não de estar fazendo isso.

Mary e Charlie ficam juntos pois ela está grávida. Antes disso, tudo apontava para o fim do seu relacionamento.

Senso do dever em relação ao companheiro.
Aceitar o futuro, com todas as suas consequências. 


"Não o obrigarei a ficar aqui se quer ir embora! Quero que seja feliz, mesmo se eu não for! Não serei a pessoa que estragou a sua vida ao prendê-lo à uma cidade ou mulher que não quer! Oh meu deus, estou me sentindo péssima. Está parecendo manipulação ao invés de uma coisa feliz. Mas estou desesperada para contar a alguém, e você é meu melhor amigo no mundo inteiro!"
Mary, momentos antes de contar ao Charlie que está grávida.

Narcisismo ou medo do futuro fazendo-a agir como uma histérica?

O diretor explica os sentimentos e pensamentos do personagem durante todo o filme, como uma autoanalise em voz alta. Poderia ter deixado para a empatia do público perceber por si só, pois a atuação está convincente.

Curiosamente, o título do filme não é refletido durante as cenas, aparecendo apenas em uma fala da Anne, onde explica essa "filosofia" de vida. É bem simples e superficial: (Happy) devemos ser felizes, e para isso (thank you) devemos ter mais gratitude em nossas vidas, assim como (more please) agradar mais aos outros. 


O filme aborda muito mais as decisões que tomamos e suas consequências nas vidas das pessoas ao nosso redor do que esse pensamento simplista (mas útil).

Todos os defeitos e qualidades que pensamos fazer parte de nós, são "objetos" comuns a todos. Sendo assim, devemos nos preocupar com o impacto das características que adquirimos e projetamos aos outros, pois pode ser incompatível com o que pretendemos fazer das nossas vidas/amizades/carreira/relacionamentos.



0 comentários

Artigos Populares