Padrão e Qualidade de Vida

11:55


"Padrão de vida é o que você tem, qualidade de vida é o que você faz."

logo,


"Compre experiências, não compre coisas".

Por que precisamos ganhar um salário cada vez maior? Qual é o custo fixo mensal para se ter uma vida de qualidade?

Partindo do princípio estabelecido por Maslow, em sua pirâmide das necessidades humanas, os dois primeiros degraus devem ser satisfeitos para se almejar os outros, ligados à qualidade de vida.


Os dois primeiros degraus são: Necessidades Fisiológicas e de Segurança. O primeiro envolve necessidades básicas como alimentação, sono, água, respiração e segundo envolve propriedade, família, saúde, etc.


Analisemos o gasto médio mensal de um jovem adulto que mora de aluguel, com gastos necessariamente voltados às suas despesas relacionadas com necessidades fisiológicas e de segurança na cidade de Manaus:

- Alimentação (cesta básica): R$339,64;
- Aluguel: Kitchenette Região Barata: R$345,33;
- Internet 10 MB*: R$70,00;
*Considerado como necessidade básica pela geração Z.

Total mensal R$754,97



Com esse valor percebemos que é necessário o mínimo de um salário para sobreviver.

O salário médio do trabalhador brasileiro em 2014 é de R$1.166,84 de acordo com o portal do MTE.

Temos um saldo de R$411,87 para os gastos com a qualidade de vida :)

Quais são os outros degraus da pirâmide de necessidades humanas?

- Relacionamentos: família, amizades, intimidade sexual, etc.

- Estima: autoestima, confiança, conquista, respeito dos outros, respeito aos outros, etc.
- Realização Pessoal: viagens, atividades artísticas, hobbies, esportes e atividades físicas, competição, contemplação, aceitação dos fatos, moralidade, ausência de preconceitos, etc.

Todos esses itens dependem mais da personalidade da pessoa do que de sua capacidade financeira. Uma pessoa "gente-boa" e com suas necessidades fisiológicas e de segurança satisfeita não deve ter problema em arrumar amigos, namorada e estar de bem com a família. O ponto mais problemático é quando observamos como as outras pessoas (ou nós mesmos) nos relacionamos com os itens de Realização pessoal. O que parece é que não faltam desculpas para satisfazer as nossas vontades mais íntimas e importantes.

Quanto às experiências, são inúmeras e extremamente pessoais. Se não tem uma ideia em mente, aqui vai uma pequena lista:
- Dança, ciclismo, escultura, board games, pintura, qualquer esporte, fotografia, culinária, qualquer instruento musical, qualquer arte marcial, escalada, alpinismo, etc... 

Quais os principais gargalos que impedem a realização dos nossos objetivos pessoais e a realização das atividades que desejamos?

- Desculpa #1: Falta de Tempo
Todos temos a mesma quantidade de tempo. Ponto. O que separa as pessoas mais produtivas das outras é justamente que as primeiras ocupam o seu tempo de forma eficaz, enquanto que as últimas deixam-se distrair com entretenimento. Nada contra  entretenimento como forma de diversão, o problema é quando passamos a tratá-lo como distração. Distração é morte espiritual.

- Desculpa #2: Falta de Dinheiro
O principal ponto em relação ao dinheiro é: não é quanto se ganha e sim como se gasta. A falta de dinheiro para fazer as coisas que fazem realmente diferença na sua vida não está ligado à compra de um Smartphone novo, gasto em coisas triviais influenciados pelo hype ou por necessidade de status potencializados pelo poder de persuasão da propaganda, ou seja COISAS. :/

Novamente, nada contra a compra de equipamentos e tralhas, desde que seu valor seja razoável à sua renda mensal, e que tenha uma aplicação tecnológica significativa na sua vida.

- Desculpa #3: Não posso, não consigo

Medo da Mudança e Comodismo - nesse texto traduzido do "Último Psiquiatra" mostra de forma inédita as nossas crenças e convicções limitantes que interferem tudo o que fazemos e que ampliam as "dificuldades" descritas acima, criando desculpas para tudo apenas para ficarmos em nossa zona de conforto.


O que podemos aprender ao refletir um pouco sobre isso?

A priorização das atividades do nosso cotidiano deve ser realizada de forma pensada de acordo com a nossa verdadeira vontade, evitando os obstáculos distratórios que colocam-se em nosso caminho e que ocultam-se no meio das desculpas que criamos. Ao mesmo tempo, devemos gerir o dinheiro mensal disponível de forma lúcida, analisando o valor real da utilidade dos objetos que queremos comprar, evitando ser seduzido pelo marketing das marcas. 

Uma mente aberta a mudanças e treinada no desapego relaciona-se adequadamente esse "estilo de vida", pois sabe distinguir as oportunidades que devem ser aproveitadas quando aparecerem e utilizará seu tempo e  dinheiro de forma eficiente em sua busca pela felicidade.

*Disclaimer: Este texto é uma breve representação das minhas ideias a partir das minhas experiências e leituras, e uma tentativa e passar a mensagem sobre qualidade de vida usando um exemplo simples. Não leve os valores inseridos com o custo de vida tão a sério, veja mais como uma forma de entender a simplicidade que é sobreviver, necessitando de tão poucas coisas. 

Alexandre Vieira


0 comentários

Artigos Populares